Subscrever:Posts Comentrios

You Are Here: Home » Atualidades, História Contemporânea, História da Arte » Bauhaus

BAUHAUSHá alguns anos atrás, ouvi uma aula maravilhosa referente às escolas de arte pelo mundo, uma não me saiu da cabeça e anos depois pesquisei sobre sua curta existência. Esta famosa escola estabeleceu os conceitos do design funcionalista e da didática desta nova atividade. Nenhuma outra instituição teve tão forte impacto no design e na tipografia do século xx.

A Bauhaus, escola fundada em 1919 na Alemanha, contribuiu de forma significativa para a definição do papel do designer.

Implementada com a missão de promover a união entre a arte e a técnica, apresentou nos seus primeiros anos de funcionamento uma orientação mais individualista, valorizando a expressão pessoal do artista na concepção do produto.

Neste período, a escola começou a ocupar-se da produção de modelos de produtos para a indústria, consolidando a linguagem estética que caracteriza a Bauhaus até os dias de hoje, chamada por Maldonado “funcionalismo técnico- formalista”.

A História da Bauhaus

1918: As grandes rupturas depois do caos

A chacina da I. Guerra Mundial é abortada em 1918 pelos sovietes de marinheiros e soldados em Hamburg e Berlim; a guerra termina com o Acordo de Paz de Brest-Litovsk, concebido por Lênin.

Os artistas e intelectuais que tinham participado nos combates voltam das trincheiras com a consciência de que a guerra era a manifestação do total absurdo e da bancarrota da sociedade burguesa. Os antigos patriotas radicalizam-se; a expressão política deste radicalismo são as Räterepubliken, os sovietes alemães.

No âmbito das ideologias burguesas, o movimento Dada, e depois o Surrealismo são articulações imediatas da ruptura desta geração com todos os valores estético-culturais tradicionais.

1919: A primeira etapa — a Bauhaus expressionista

A primeira exposição. Weimar, 1923

Em 1919, a Bauhaus abre as suas portas na cidade de Weimar. Esta escola estatal assenta nos conceitos do Werkbund.

O arquiteto Walter Gropius (1883-1969) é apontado para dirigir a nova «Schule für Gestaltung».

Esta primeira etapa será posteriormente chamada a «fase expressionista», porque nos primeiros anos se dá prioridade à expressão emocional e à individualidade dos estudantes.

O primeiro Grundkurs (Curso Básico) é leccionado pelo pintor e ‘monge asceta’, o místico suíço Johannes Itten (conhecido pela sua obra «Teoria das Cores»). Em Weimar pretende-se fazer a síntese do trabalho dos artistas e dos artesãos, ignorando a produção em série industrial e capitalista.

A ideologia dos primeiros anos está próxima do movimento Arts and Crafts.

1923: Os funcionalistas marcam o novo rumo

Sob a pressão de Gropius, o esotérico Johannes Itten é levado a abandonar o Grundkurs; o artista húngaro László Moholy-Nagy passa a ser o novo docente deste curso.

Neste «Curso Básico», também deram aulas Wassily Kandinsky, Paul Klee e Josef Albers.

A influência do movimento de vanguarda holandês De Stijl e o vitalismo do Suprematismo e do Construtivismo da vanguarda soviética russa marcam a estética geral e a tipografia professa dentro da Bauhaus.

O De Stijl foi um movimento de arte que enaltecia o controle racional do processo criativo — apropriando-se de sua morfologia baseada nas formas elementares e nas cores primárias.

Essa orientação estética vinha ao encontro dos interesses da Bauhaus em estreitar o seu relacionamento com a indústria, com a produção em massa e com o emprego de máquinas.

Moholy-Nagy entra na Bauhaus em 1923. Nos seus manifestos, o conceito de uma nova tipografia («neue typographie») ocupava um papel central.

«die neue typographie» foi o título programático de um artigo de Moholy-Nagy, publicado já em 1923 no bauhausbuch — artigo que articulou ideias essenciais; pouco depois, Jan Tschichold faz ressonância às teses de Moholy-Nagy, ampliando a sua divulgação.

Em 1923, é organizada a primeira exposição da Bauhaus, um esforço de promoção das ideias e práticas do instituto junto do grande público. O catálogo foi desenhado por Herbert Bayer.

1925: Mudança para Dessau

Os dirigentes da Bauhaus cedem à pressão da «opinião pública» e muda a Escola para Dessau, uma cidade industrial em rápida expansão, na periferia de Berlim.

A famosa cadeira desenhada por Marcel Breuer, 1925/26.

Em Dessau, Gropius é encarregado de projetos de urbanização.

Herbert Bayer e Joost Schmidt, estudantes finalistas, são admitidos no corpo docente. É criado o curso de Tipografia e Publicidade, associado à Oficina Gráfica e dirigido por Bayer.

Em Dessau, o arquiteto Walter Gropius, diretor da Bauhaus, constrói para a nova sede edifícios funcionais, adequados aos propósitos da Escola Bauhaus.

1928: Gropius, Meyer, van deer Rohe

Gropius abandona a Bauhaus; na direção sucede-lhe o arquiteto suíço Hannes Meyer. O Funcionalismo é estabelecido como ideologia-mestre.

Herbert Bayer e Moholy-Nagy saem; Albers passa a dirigir o Grundkurs.

Joost Schmidt dirige a Oficina Gráfica.

Cadeira desenhada por Mies van der Rohe

1930: o arquiteto Mies van der Rohe é nomeado diretor da Bauhaus. Paul Klee sai da escola em 1931, mas Josef Albers e Kandinsky permanecem até ao fim.

A Bauhaus encerra no dia 10 de Agosto de1933.

1937: A New Bauhaus em Chicago

Com o fecho da Bauhaus, os docentes optam pelo exílio, fugindo às represálias do Nazismo. A evolução continua nos EUA, país para onde tinha emigrado boa parte dos exilados da Bauhaus.

Um grupo de industriais norte-americanos decide fundar em 1937 em Chicago uma escola de Design e chama Moholy-Nagy para dirigi-la.

Esta instituição, a New Bauhaus, virá depois a ser designada por School of Design e mais tarde Institute of Design.

Hoje, a instituição Bauhaus pode ser visitada em Dessau:

Bauhaus, Gropiusallee 38, D-06846 Dessau Tel: (+49) 340/65080 ou (+49) 340/6508250

Temas relacionados

El Lissitzky, Jan Tschichold, o movimento De Stijl.

Após a II. Guerra Mundial, em 1954, um ex-estudante da Bauhaus, Max Bill, com a ajuda dos irmãos Scholl, funda a Hochule Für Gestaltung, a escola hfg em Ulm.

Paul Rand, o maior nome do graphic design e do cartaz publicitário norte-americano, tirou enorme partido do vanguardismo europeu, conforme relata na obra Order and Chaos.

Links

O Bauhaus Archiv Museum encontra-se em Berlim; informe-se em www.bauhaus.de

Kreis der Freunde des Bauhauses www.bauhaus-freunde.de

www.bauhaus-dessau.de

A influência de Froebel: www.uni-weimar.de/architektur/

Deixe uma resposta

You must be Logged in to post comment.

© 2013 Eu Gosto de História · Subscrever:PostsComentrios · Projetado por Site Evolution · Alimentado por WordPress